“Naquele momento, meu bem, eu amei até suas artérias. Amei seus pulmões e o fato de poder dividir com eles o ar dos meus. Naquele momento eu amei cada póro seu. Cada fita de DNA que formava aqueles olhos castanho-esverdeados tão pequenos. Eu amei até as veias azuladas do seu pulso e o barulho da sua respiração. Te olhei e me peguei amando as manchinhas do seu rosto, naquele momento. E neste. E no próximo. Porque em todos eles sempre encontrarei mais um detalhe para eu amar. A bagunça dos teus cílios. As pintinhas das costas. Eu amei até seus ossos! Aquele que vai do ombro ao pescoço. O que contorna o tornozelo. A coluna vertebral inteira. Eu não sei o nome de nenhum, mas saberia desenhá-los perfeitamente. Eu amei até suas sardas! E a maneira como parecem nebulosas. Amei as rugas da sua testa quando franziu o cenho. Amei até o seu cerrar de mandíbula! O contraste da tua sobrancelha preta na pele branca. Naquele momento, eu amei cada uma das suas células. E então eu soube. Não só soube, como tive certeza, e provei aos meus sistemas e anti-corpos, que era ali, perto do seu corpo que eu gostaria de ficar.”
— "Enquanto meus pulmões filtrassem ar." Rio-doce  (via inflamar)

Sobre uma noite de sábado…

(via cereaiscomleite)





“Bonito é ser o motivo do sorriso de alguém.”
— (via recontador)


“Quem é capaz de explodir de raiva, também é capaz de explodir de amor.”
Gabito Nunes. (via acrescentada)


all theme by nostalgia-surreal; don't copy
12345678910